Grupos de trabalho / Problemas de Saúde e Segurança

A saúde é um direito individual e um valor coletivo, indispensável ao desenvolvimento de qualquer país. É definida pela Organização Mundial de Saúde como o completo bem-estar físico, mental e social.

Ao longo do tempo, a evolução da medicina e das condições socio-económicas melhoraram a saúde, o que conduziu a um aumento grande da esperança de vida. No entanto, novos desafios se foram levantando. Houve uma transição demográfica muito rápida, existindo hoje uma elevada percentagem de idosos e consequentemente mais pessoas doentes, mais medicadas, a necessitar, também, de  intervenções cirúrgicas com maior risco. Aumentou o número de obesos, que por sua vez  têm doenças associadas  e incrementam o volume de doentes propostos para cirurgia. Surgiram novas infeções e reapareceram outras. A evolução científica e tecnológica acompanhou novas necessidades e alterou o modelo tradicional dos sistemas de saúde, em termos de organização e prestação de cuidados, mas aumentando a pressão sobre os, já limitados, recursos financeiros.

O grande desafio hoje é proporcionar acesso à saúde, com equidade,  segurança e cuidados de qualidade, ao menor custo possível.

Uma forma de melhorar a qualidade de vida e baixar os custos é a promoção da saúde e a prevenção da doença. Para isso é necessário que cada indivíduo contribua para a sua própria saúde desde cedo. Pelo que é importante estar informado sobre hábitos alimentares saudáveis, benefícios do exercício físico, interesse por atividades sociais,  aprendizagem ao longo da vida e comportamentos a evitar.

De igual forma é desejável que o doente participe na segurança dos seus tratamentos, estando informado, cumprindo as suas medicações, compreendendo e consentindo nas terapêuticas, conhecendo riscos e efeitos laterais. Está demonstrado que o envolvimento do doente aumenta a segurança do tratamento e melhora os resultados clínicos.

Aos profissionais de saúde compete sensibilizar doentes e famílias para a segurança e qualidade dos cuidados, devendo promover a informação e o envolvimento nesta área.

A segurança dos doentes é um dever ético de todos os profissionais envolvidos na saúde e um requisito indispensável à qualidade dos cuidados prestados.

A APASD existe para si, pela sua segurança. Contamos com um grupo pluridisciplinar de colaboradores , associações de doentes e sociedades científicas em várias áreas, dispostos a colaborar consigo. Estamos aqui para escutar, informar e compreender a melhor forma de o ajudar.

 

Cristina Amaral

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *